01 Fevereiro 2011

O plano para o dia era: ir a Statsforvaltningen (Regional State Administration) candidatar-me ao termo de residência, ir ao netto (o supermercado mais barato) comprar comida e ao IKEA, mais uma vez, para comprar as poucas coisas que faltavam.

A Raluca (Internacional Office) foi muito simpática e deu-me um papel com todas as indicações para chegar à minha primeira paragem da lista (apanhar autocarro até Lyngby, comboio até Hellrup e outro comboio até Fuglebakken). Primeiro problema: ao descer as escadas da estação de comboio não vi imediatamente a placa que dizia onde era o Statsforvaltningen e fui em frente, felizmente voltei para trás rapidamente e encontrei o sítio.

Aqui, rapidamente encontrei o formulário de candidatura e me apercebi de que não tinha a fotografia necessária. Dirigi-me a uma das senhoras (a primeira pessoa não extremamente simpática que encontrei aqui) que estava a atender e perguntei onde poderia encontrar um local para tirar a fotografia, grotescamente me disse que tinha de apanhar o comboio porque ali não existia.

Portanto, apanhar o comboio para Frederiksberg e depois o metro até Nørreport (no centro de Copenhaga), encontrar a máquina, entender-me com ela (só falava Dinamarquês!), conseguir tirar as 6 fotos que ela tirava (100DKK) e voltar para trás, de volta a Fuglebakken.

Depois disto, ficou a faltar as compras. As saudades com que eu fiquei do meu querido Continente!

O supermercado tem pouca coisa, é semelhante ao Mini Preço, mas o pior nem é isso, é o facto de não reconhecer quase nenhuma das marcas (à parte da Becel e da Nestlé), os nomes estarem todos em Dinamarquês (obviamente!), assim como os preços. Conclusão: é ver-me lá dentro de IPod na mão, de um lado para o outro, ora a converter preços, ora a traduzir nomes.

Os preços não são assim tão exagerados em relação aos de Portugal como pensava: um pacote de leite custou 4,95 Kr (€0,66), por exemplo.

Apanhar o autocarro, voltar para a residência e arrumar tudo e estava feito, faltava apenas o último ponto da lista de tarefas para o dia.

A viagem da residência até ao IKEA é rápida: 5 minutos a pé e uma curta viagem de autocarro, sem nenhuma paragem pelo meio. Como já se esperava, o sistema é o mesmo em todo o mundo e deu-me uma sensação de familiaridade, não fossem as etiquetas com os preços e as constantes trocas de palavras em dinamarquês por todo o lado e era como se estivesse de volta a Matosinhos!

O quarto na residência não tem gavetas de nenhum tipo, o que para muitos poderia ser um defeito, mas para mim é a razão que precisava para poder comprar as caixinhas fofinhas do IKEA que sempre adorei e nunca tive razão para adquirir!

Voltar a casa, arrumar o que faltava da roupa e coisinhas nas minhas novas e bonitas caixas e estava terminado o dia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *